Banner com fundo laranja e azul. Do lado esquerdo um homem branco, cabelo curto, bigode e usando óculos e uma camisa de botão azul clara por cima de uma camiseta branca com uma expressão pensativa e mão no queixo. Do lado direito os dizeres: "Ficou com dúvida? Nós estamos aqui para descomplicar tudo sobre Planos de Saúde para você!"
Banner com fundo laranja e azul. Do lado esquerdo um homem branco, cabelo curto, bigode e usando óculos e uma camisa de botão azul clara por cima de uma camiseta branca com uma expressão pensativa e mão no queixo. Do lado direito os dizeres: "Ficou com dúvida? Nós estamos aqui para descomplicar tudo sobre Planos de Saúde para você!"

O que você está procurando?

FAQ – Dúvidas Frequentes

Esse é o nosso FAQ, um canal aberto e descomplicado para você, Cliente N&G, sanar suas dúvidas mais frequentes.

Como podemos te ajudar hoje?

DÚVIDAS SOBRE ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, OPERADORA DE SAÚDE E PROCESSOS:

O que é uma Administradora de Benefícios e uma Operadora do Plano de Saúde?

Administradora de Benefícios:

A administradora é pessoa jurídica regulada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que atua como estipulante de entidades de classe representativas que desejam contratar um plano de saúde coletivo. Assim, é importante saber que Nunes & Grossi Benefícios é uma Administradora de Benefícios.

Operadora de Plano de Saúde:

Já a Operadora de Plano de Saúde também é uma pessoa jurídica regulamentada pela ANS, porém ela presta a assistência médica, hospitalar e/ou odontológica continuada, garantindo acesso aos serviços e coberturas contratadas pelo beneficiário.

O que é a qualificação de vendas e quando é realizada?

A qualificação de venda é um processo interno da Nunes & Grossi Benefícios e é realizado para assegurar a escolha do beneficiário em sua adesão. Essa etapa consiste na confirmação de dados preenchidos na proposta de adesão, validando junto ao beneficiário o plano contratado e esclarecendo eventuais dúvidas referentes ao mesmo. Este processo ocorre antes do início da vigência para que haja tempo hábil da correção de dados e/ou informações divergentes na proposta.

Quais funcionalidades estão disponíveis na Área do Cliente?

Na Área do Cliente N&G você pode encontrar:

  • Atualização cadastral;
  • 2ª Via de Boleto;
  • Declaração de pagamento;
  • Numeração da carteirinha;
  • Informe de Rendimentos;
  • Carta de Quitação;
  • Entre outras

Qual é o papel da Administradora de Benefícios (Nunes & Grossi) e da Operadora de Saúde?

Facilmente podemos confundir os papeis da Administradora de Benefícios com o da Operadora de Saúde. Para te ajudar, separamos eles para que você saiba para quem realizar solicitações referentes ao seu plano de saúde e/ou odontológico.

A Administradora de Benefícios, ou seja, a Nunes & Grossi tem o papel de te ajudar quando você:

  • Precisar de informações sobre seus pagamentos;
  • Precisar atualizar seu cadastro, incluir ou excluir dependentes;
  • Tiver qualquer dificuldade com a sua carteirinha;
  • Quiser obter demonstrativo de Imposto de Renda (IR) ou esclarecimento sobre reajustes;

Ou seja, qualquer assunto sobre administração do seu plano de saúde e/ou odontológico.

A Operadora de Saúde, ou seja, o plano utilizado tem o papel de te ajudar quando você:

  • Precisar consultar a rede médica;
  • Quiser esclarecer dúvidas sobre carências;
  • Necessitar de autorização para procedimentos;
  • Precisar do extrato de utilização de coparticipação;
  • Solicitar reembolso de procedimentos médicos, exames ou consultas;

Ou seja, sempre que o assunto for a utilização do seu plano de saúde e/ou odontológico.

O que é a taxa de angariação?

A taxa de angariação é um valor, diferente da mensalidade, que é destinado ao corretor/vendedor pela intermediação do cliente a Administradora de Benefícios. Essa taxa é regulamentada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e, diferente do que muitos pensam, não representa o pagamento da primeira mensalidade do plano contratado.

A taxa de angariação também pode ser conhecida como taxa de administração, taxa de adesão, taxa de corretagem e outros nomes semelhantes.

Quando a Administradora deve fornecer um número de protocolo de atendimento?

Em todos os atendimentos! Sempre no início ou logo após que identificar a demanda solicitada.

Assim, o fornecimento do número de protocolo deve ser a primeira ação de quem te atender, sem exceção quanto ao conteúdo da resposta à solicitação. Ainda, o beneficiário titular do plano pode solicitar o número de protocolo sempre que necessário.

Como posso acessar a Área do Cliente N&G?

Se você ainda não possui cadastro, basta acessar https://www.nunesegrossi.com.br/area-cliente/, com os dados do titular do plano e clicar na opção “Não possui acesso? Cadastre-se aqui” ou, se preferir, clique aqui. Neste caso, é importante mencionar que mesmo o contrato possuindo um responsável financeiro, o cadastro deverá ser realizado com os dados do titular do plano, ainda que este seja menor de idade.

Caso você já possua cadastro, basta apenar efetuar o seu login com e-mail e senha clicando aqui.

Se você tiver alguma dúvida, temos um artigo em nosso Blog N&G que explica o passo a passo de como se cadastrar em nossa Área do Cliente N&G. Você pode acessar ele clicando aqui.

Não encontrei o que preciso na Área do Cliente N&G. O que devo fazer?

Neste caso, recomendamos que você clique no ícone de “Outras solicitações” e preencha com os dados necessários. Assim, nosso setor de Atendimento ao Cliente receberá sua solicitação e entrará em contato para resolver o seu problema o quanto antes.

Caso você prefira, também é possível realizar a solicitação necessária entrando em contato com a gente por telefone através do número 4003-5224.

DÚVIDAS SOBRE PLANOS COLETIVOS:

O que é um Plano Coletivo?

Como o próprio nome já diz, são planos contratados por um grupo de pessoas. Existem duas modalidades de planos coletivos, sendo elas:

  • Empresariais: prestam serviços assistenciais à funcionários da empresa contratante em decorrência de um vínculo empregatício;
  • Coletivos por adesão: são contratados por pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, ou seja, conselhos profissionais, entidades de classe, sindicatos, cooperativas, entre outros. Nessa modalidade, existe a figura da Administradora de Benefícios que atua como intermediadora da relação contratual entre a pessoa jurídica contratante e a Operadora de Saúde contratada.

Quem pode contratar um Plano de Saúde e/ou Odontológico Coletivo por Adesão?

Um Plano de Saúde e/ou Odontológico Coletivo por Adesão pode ser contratado por pessoas que tenham vínculos com pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, tais como:

  • Conselhos profissionais e entidades de classe, nos quais seja necessário o registro para o exercício da profissão, como por exemplo: Advogados com registro na OAB, Médicos com registro no CRM, entre outros;
  • Sindicatos, centrais sindicais e respectivas federações e confederações, como por exemplo: beneficiários que possuam vínculo ao Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Tipo Artesanal do Estado de São Paulo (SIMPI), entre outros;
  • Associações profissionais legalmente constituídas;
  • Cooperativas que congreguem membros de categorias ou classes de profissões regulamentadas;
  • Caixas de assistência e fundações de direito privado.

 

(*) Os associados vinculados as entidades acima mencionadas podem ingressar no Plano de Saúde e/ou Odontológico Coletivo por Adesão desde que comprovem o vínculo com as entidades no momento da contratação. Este vinculo é chamado de Elegibilidade.

Quais as vantagens da contratação de Plano de Saúde e/ou Odontológico Coletivo por Adesão?

A modalidade de plano de saúde e/ou odontológico coletivo por adesão possui condições especiais em relação ao valor, carências, vencimentos, reajustes e coberturas. Isso acontece porque, a Administradora de Benefícios é a principal responsável por estas negociações junto à Operadora de Saúde contratada, garantindo melhores condições para o beneficiário.

DÚVIDAS SOBRE CARÊNCIA:

O que é carência?

Carência é o espaço de tempo que o beneficiário precisa aguardar para usufruir dos procedimentos contratados em seu plano de saúde e/ou odontológico. Esse intervalo de tempo vale a partir do momento da contratação e podem variar entre 24 (vinte e quatro) horas e 300 (trezentos) dias, por exemplo.

Importante dizer que todos os prazos de carência devem ser previamente conhecidos pelo beneficiário, ou seja, devem estar definidos em contrato.

Quais os prazos de carências estabelecidos em lei?

Os prazos máximos de carência estabelecidos em lei são:

  • casos de urgência e emergência, acidentes pessoais ou complicações no processo gestacional, risco imediato à vida ou lesões irreparáveis – 24 (vinte e quatro) horas;
  • partos a termo, excluídos os partos prematuros – 300 (trezentos) dias;
  • demais situações – 180 (cento e oitenta) dias.

DÚVIDAS SOBRE CPT – COBERTURA PARCIAL TEMPORÁRIA:

O que é Cobertura Parcial Temporária (CPT)?

A Cobertura Parcial Temporária (CPT) é o período ininterrupto de até 24 (vinte e quatro) meses, contado a partir da data da contratação ou adesão ao plano de saúde e/ou odontológico, em que fica suspensa a cobertura de procedimentos de alta complexidade, leito de alta tecnologia e procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados, exclusivamente, a doenças ou lesões preexistentes declaradas pelo consumidor ou representante legal. Sendo assim, caso a necessidade desses procedimentos complexos seja decorrente de um problema de saúde descoberto após a contratação do plano de saúde, não há essa limitação.

O que são doenças ou lesões preexistentes?

Doenças ou Lesões Preexistentes (DLP) são aquelas que o beneficiário, ou seu representante legal, saiba ser portador ou sofredor no momento da adesão ao plano.

O que acontece se o consumidor omitir o conhecimento de uma doença?

Essa omissão será caracterizada como fraude e, neste caso, a Operadora de Saúde poderá solicitar a abertura de processo administrativo junto à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Caso o resultado da análise do processo seja favorável à Operadora, ou seja, caso a fraude seja comprovada, a Operadora poderá rescindir o contrato de plano de saúde de forma unilateral, ou seja, sem que o beneficiário concorde e, até mesmo, entrar na justiça para tentar recuperar os valores gastos com esse beneficiário.

Pode haver cláusula de CPT no plano de saúde coletivo por adesão?

Sim. No caso do plano de saúde e/ou odontológico coletivo por adesão, a Operadora de Saúde pode exigir o cumprimento de CPT (Cobertura Parcial Temporária) relacionada, exclusivamente, a doenças ou lesões preexistentes declaradas pelo consumidor ou representante legal no momento da contratação do plano.

Qual deve ser o procedimento na hora de declarar doenças ou lesões preexistentes (DLP)?

O consumidor deve informar à Operadora de Saúde, quando expressamente solicitado na documentação contratual, por meio da Declaração de Saúde, o conhecimento de DLP no momento da assinatura do contrato de adesão ao plano.

Quais as coberturas oferecidas pelos planos de saúde e/ou odontológicos coletivos?

A ANS estabeleceu um rol mínimo de coberturas obrigatórias para todos os planos de saúde e/ou odontológicos, individuais ou coletivos, firmados a partir de 02 de janeiro de 1999 e revisado a cada 2 (dois) anos para incluir novos tratamentos aos quais todos os consumidores passam a ter direito.

Você pode conferir esse rol no site da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ou clicando aqui.

O que é a “Declaração de Saúde” exigida na hora da contratação?

A Declaração de Saúde é um formulário, elaborado pela Operadora de Saúde, para registro de informações sobre as doenças ou lesões que o beneficiário saiba ser portador no momento da contratação do plano. Essa declaração deve ser preenchida tanto pelo titular, quanto por seus dependentes.

O consumidor pode trocar de plano de saúde e/ou odontológico coletivo por adesão sem ter que cumprir novos prazos de carência ou Cobertura Parcial Temporária (CPT)?

Sim, esse processo é chamado de portabilidade de carências. O consumidor do plano pode contratar um novo, dentro da mesma Operadora ou com uma Operadora diferente, e ficar dispensado de cumprir novos períodos de carência ou de Cobertura Parcial Temporária (CPT) exigidos e já cumpridos no plano anterior.

Neste caso, devem ser atendidos alguns requisitos que você pode consultar no site da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ou clicando aqui.

DÚVIDAS SOBRE COPARTICIPAÇÃO:

O que é coparticipação?

A coparticipação é uma modalidade de plano de saúde na qual o custo das mensalidades é mais acessível para os beneficiários. Isso acontece porque, ao utilizar o plano para consultas, exames e/ou procedimentos ambulatoriais, o consumidor contribuirá com uma pequena parte do valor do procedimento, além da mensalidade.

A taxa de coparticipação pode variar em cada Operadora de Saúde e a cobrança desse valor é efetuada por boleto, juntamente com o valor da mensalidade, apenas quando esses serviços forem utilizados.

Se você quiser entender melhor como funciona essa cobrança, nós temos um artigo em nosso blog que explica – é só clicar aqui!

Como faço para retirar o relatório de utilização dos procedimentos realizados?

Por ser um assunto assistencial de cunho sigiloso, a Administradora de Benefícios não tem permissão para ter acesso ao relatório de utilização dos seus associados. Esta restrição está prevista na legislação vigente RN389/2015. Sendo assim, orientamos aos beneficiários que possuem plano coparticipativo a solicitar os relatórios de utilização diretamente a Operadora de Saúde.

Se você já é um Cliente N&G, você pode conferir em nossa Área do Cliente N&G como retirar o relatório coparticipativo da sua operadora. Clique aqui para conferir.

DÚVIDAS SOBRE REAJUSTES:

Como funcionam os reajustes dos planos coletivos por adesão?

Assim como outros serviços, os planos sofrem reajustes para manutenção e equilíbrio contratual, ou seja, para balancear os custos dos serviços prestados. No caso dos planos de saúde coletivos por adesão, podem acontecer alguns tipos de reajustes, sendo os principais:

  • Reajuste anual: trata-se do reajuste que ocorre no aniversário de contrato da Operadora de Saúde com a Administradora de Benefício. Esse reajuste é calculado com base na sinistralidade do período.
  • Reajuste por faixa etária: acontece sempre que o beneficiário faz aniversário e ultrapassa uma das faixas etárias pré-determinadas pela operadora de saúde. Geralmente, as faixas etárias são divididas de 4 em 4 anos.

É importante ressaltar que ambos reajustes estão previstos no contrato de adesão do plano de saúde contratado e podem ocorrer no mesmo mês em alguns casos.

Quem determina o percentual de reajuste anual dos contratos de planos de saúde coletivos?

O órgão responsável por calcular o percentual de reajuste anual é a própria Operadora de Saúde, seguindo regras determinadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e baseando o cálculo na sinistralidade do período em questão.

Temos um artigo em nosso blog que explica um pouco mais como funciona o reajuste dos planos de saúde e você pode consultar ele clicando aqui.

É verdade que o reajuste das mensalidades é livre no plano de saúde coletivo?

Não. Os reajustes nos planos coletivos devem estar previstos em contrato, ocorrendo a cada 12 (doze) meses e em mudanças de faixa etária. É importante lembrar que as faixas etárias são definidas pela ANS e limitadas até os 59 (cinquenta e nove) anos.

O índice de reajuste é calculado pelas Operadoras de Planos de Saúde com base na variação dos custos médicos e hospitalares, levando em consideração a frequência de utilização do grupo de consumidores, além dos custos de administração, de comercialização e de outras despesas incidentes sobre a operação do plano de saúde. Em seguida, existe um processo de negociação entre as Operadoras de Saúde e as pessoas jurídicas contratantes, ou seja, sindicato, entidade de classe, entre outras com a participação das Administradoras de Benefícios.

Esses índices de reajuste são, obrigatoriamente, informados pela Operadora de Saúde à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

É importante lembrar também que o percentual de reajuste dos planos de saúde coletivos apresenta, em alguns casos, variações diferentes dos planos individuais ou familiares. Apesar disso, o valor da mensalidade do plano de saúde coletivo continua sendo mais vantajoso. Essa vantagem ocorre porque, como o plano é coletivo, quanto maior o grupo de consumidores, maior a diluição dos riscos e, consequentemente, maior o potencial de negociação.

DÚVIDAS SOBRE VIGÊNCIA:

O que é a vigência?

Ao contrário do que muitos pensam, a vigência não é a data de vencimento da mensalidade do plano de saúde. Sendo assim, a vigência é a data onde o contratante passa a ser, oficialmente, um beneficiário do plano de saúde contratado.

É possível alterar a data da vigência?

Não é permitido alteração de vigência. A única forma possível para que isso ocorra é através de uma nova adesão. Nesse caso, é necessário observar também o cumprimento das carências do plano anterior e do que se pretende contratar.

DÚVIDAS SOBRE CARTEIRINHA:

Quando tenho acesso a minha carteirinha?

Existem duas formas de acesso a sua carteirinha: a física e a virtual.

No início da vigência do contrato, ou seja, quando você passa a ser oficialmente um beneficiário do plano de saúde contratado, nós realizamos o envio de um e-mail ou SMS com algumas informações sobre o seu plano e sobre a utilização da sua carteirinha virtual.

Caso você se sinta mais confortável tendo sua carteirinha em mãos, ou seja, possuindo a carteirinha física, você pode solicitar pra gente através dos nossos canais de atendimento.

O envio das carteirinhas físicas está ocorrendo desta forma por conta do momento delicado em que estamos vivendo, ou seja, a pandemia da covid-19. Assim, nós garantimos que nem você e nem nossos colaboradores sejam expostos à riscos desnecessários de contágio ao realizar o envio e o recebimento da carteirinha física.

A data de vencimento da minha carteirinha irá expirar, devo solicitar uma nova via?

A emissão de uma nova carteirinha acontece de forma automática.

Dessa forma, nos casos de carteirinha virtual, a atualização acontece diretamente no site ou aplicativo da Operadora de Saúde. Já nos casos da carteirinha física, a Operadora de Saúde emite uma nova e envia o lote de carteirinhas para a Administradora de Benefícios que, por sua vez, envia para a residência do beneficiário no endereço informado em seu cadastro.

Mais uma vez, achamos importante reforçar que o envio das carteirinhas físicas está sendo realizado mediante solicitação do beneficiário. Essa medida visa proteger nossos beneficiários, nossos funcionários e a sociedade onde estamos inseridos, evitando a exposição ao risco de contágio por covid-19 ao realizar o processo de envio e recebimento das carteirinhas físicas.

Como eu faço para usar minha carteirinha virtual?

A carteirinha virtual fica disponível diretamente no site ou aplicativo da Operadora de Saúde e para sua utilização durante os atendimentos médicos, basta apresenta-la junto de um documento com foto.

Alguns aplicativos e sites oferecem a opção de salvar a carteirinha nos arquivos do celular ou computador. Dessa forma, não é necessário o acesso à internet sempre que for utilizar sua carteirinha.

Nós temos um artigo em nosso blog explicando o passo a passo para acessar a carteirinha virtual dos planos de saúde e você pode conferir ele clicando aqui.

A carteirinha virtual foi pensada pelas Operadoras de Saúde em respeito ao meio ambiente e, também, aos seus beneficiários, oferecendo melhor praticidade e agilidade nos atendimentos médicos.

DÚVIDAS SOBRE SUSPENSÃO, REATIVAÇÃO, CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO:

Como acontece a suspensão ou reativação do meu plano de saúde e/ou odontológico?

A suspensão do seu plano de saúde e/ou odontológico pode acontecer automaticamente até com 1 (um) dia de inadimplência, ou seja, não identificação do pagamento da mensalidade no sistema.

Já a reativação pode ocorrer em até 5 (cinco) dias úteis após a baixa bancária do pagamento da mensalidade.

Ambas as regras, ou seja, de suspensão e de reativação, estão dispostas em contrato, assinado no momento da adesão do plano de saúde e/ou odontológico.

Como faço para solicitar o cancelamento total do plano ou exclusão de dependentes do contrato coletivo por adesão?

A solicitação de cancelamento ou exclusão pode ser feita de quatro formas:

  • Por telefone, através do número 4003-5224;
  • Aqui em nosso site na Área do Cliente N&G ou clicando aqui;
  • No site da Operadora de Saúde;
  • ou presencialmente em nossa sede, na Rua Guaiaó, 66 – 16º andar – Santos/SP.

Quando entra em vigor o cancelamento?

A solicitação de cancelamento pela RN 412 tem efeito imediato, ou seja, entra em vigor assim que a operadora tem ciência da solicitação.

Sendo assim, após data e horário de solicitação de cancelamento, você e/ou seu dependente não estarão mais cobertos para atendimento. Assim, qualquer utilização, ainda que tenha sido autorizada pela operadora de saúde antes da solicitação, não será realizada após esse momento.

Caso ocorra a utilização de qualquer serviço do plano após a data da sua solicitação de cancelamento, poderão ser geradas cobranças e/ou despesas que serão de responsabilidade do beneficiário titular.

Em que momento um beneficiário pode ser excluído ou ter seu benefício cancelado no plano de saúde e/ou odontológico?

A situação de cancelamento ou exclusão pode acontecer nos seguintes casos:

  • Quando o beneficiário titular solicita à Administradora de Benefícios (RN 412), observando os prazos e condições estabelecidos pela Administradora;
  • Automaticamente, pela falta de pagamento de 1 (uma) mensalidade por um prazo superior a 30 (trinta) dias, contados a partir do início da data de vigência do mês em que a inadimplência ocorreu.
  • Pela perda da elegibilidade na entidade;
  • Por falecimento do beneficiário;
  • Por fraude.

Importante destacar que o beneficiário pode ter o atendimento suspenso automaticamente após a data de vencimento da mensalidade nos casos de falta de pagamento. No entanto, a suspensão do serviço é diferente da exclusão e do cancelamento, podendo ser revertida ao realizar o pagamento dentro do prazo estabelecido.

Qual a diferença entre cancelamento por inadimplência e cancelamento pela RN 412?

É bem simples! O cancelamento por inadimplência acontece em decorrência da falta de pagamento da mensalidade do plano de saúde contratado. Já o cancelamento pela RN 412 acontece quando o beneficiário solicita diretamente o cancelamento e, neste caso, possui efeito imediato e irrevogável.

O que é o cancelamento pela RN 412?

A Resolução Normativa 412 (RN 412) é a norma que regulamenta a solicitação de cancelamento do contrato individual/familiar, coletivo por adesão ou empresarial.

Assim, o cancelamento pela RN 412 ocorre apenas para pedidos realizados por vontade do titular do plano.

O que acontece depois da solicitação de cancelamento pela RN 412?

  • A sua solicitação de cancelamento não admite desistência a partir da ciência da operadora ou da administradora de benefícios a qual você fez o pedido;
  • As mensalidades atrasadas e/ou eventuais coparticipações ou franquias em aberto por serviços realizados antes da solicitação de cancelamento do plano de saúde são de sua responsabilidade;
  • As despesas decorrentes de eventuais serviços utilizados por você após a data da sua solicitação de cancelamento, inclusive nos casos de urgência ou emergência, também serão por sua conta;
  • Caso você tenha solicitado o cancelamento do seu contrato individual ou familiar, seus dependentes já vinculados podem continuar no contrato com as mesmas condições contratuais, assumindo as obrigações decorrentes;
  • Já se você solicitou o cancelamento do seu contrato coletivo por adesão, seus dependentes também serão automaticamente cancelados. Isso porque, a titularidade do contrato está vinculada a elegibilidade. Assim, uma vez que é solicitado o cancelamento do titular, perde-se a elegibilidade e todo o contrato é cancelado. Deste modo, apenas o dependente poderá ser cancelado sem interferir no contrato total.

DÚVIDAS SOBRE ALTERAÇÕES NO PLANO DE SAÚDE E/OU ODONTOLÓGICO:

É possível solicitar a alteração da acomodação do meu plano de saúde?

Sim! É possível fazer tanto um UPGRADE, quanto um DOWNGRADE do seu plano de saúde.

O UPGRADE acontece quando o você deseja elevar sua rede credenciada e acomodação, ou seja, aumentar a gama de benefícios e atendimentos oferecidos pelo seu plano de saúde. Já o DOWNGRADE acontece quando você deseja diminuir os benefícios oferecidos pelo plano.

É importante destacar que é necessário verificar as regras da sua operadora de saúde para realizar estas alterações.

Quando posso incluir ou excluir dependentes no meu plano de saúde e/ou odontológico?

A inclusão ou exclusão de dependentes pode ser feita após o início da vigência, porém é importante lembrar que o plano deve estar ativo e com um beneficiário titular.

Para solicitar a inclusão ou exclusão de dependentes é necessário o preenchimento de alguns documentos. Por isso orientamos que, nestes casos, você entre em contato com nossa central de atendimento. Assim, nossa equipe pode te informar melhor sobre as regras de sua operadora.

Em qual momento eu posso solicitar a alteração da acomodação ou abrangência do meu plano de saúde e/ou odontológico coletivo por adesão?

Cada operadora possui um período e prazo onde essas solicitações podem ser feitas. Esse prazo pode ser após 1 (um) ano da contratação ou somente no aniversário do contrato (mês de reajuste), por exemplo.

Para consultar as regras da sua operadora, indicamos que você entre em contato com a nossa central de atendimento pelos seguintes canais:

Até qual idade é permitido ser dependente em um plano de saúde e/ou odontológico?

Cada Operadora de Saúde possui uma regra de idade, porém, geralmente considera-se filhos(as) até os 18 (dezoito) anos e os demais graus de parentesco sem limite de idade.

No entanto, orientamos que você entre em contato com nossa central de atendimento para consultar as regras de sua operadora, pois podem existir exceções em alguns casos.

Eu posso alterar a categoria do meu plano de saúde e/ou odontológico mesmo que ele seja coletivo por adesão?

Sim! É possível realizar essa alteração desde que Operadora de Saúde aprove.

É importante ressaltar que caso essa migração seja para um plano de saúde de padrão mais elevado, pode ser que você precise cumprir novos períodos de carência na rede médico-hospitalar que não fazia parte do plano de saúde anterior.

O que é a exclusão de dependentes por maioridade?

A exclusão por maioridade acontece por conta da perda da elegibilidade de um dependente ao atingir a maioridade.

Quando ela ocorre é necessário realizar uma nova adesão caso o beneficiário excluído queira permanecer com o plano de saúde e/ou odontológico. Nesses casos, dependendo da operadora, pode ser que o beneficiário precise cumprir novamente os prazos de carência, por exemplo.

Assim, nós orientamos que você entre em contato com nossa central de atendimento para consultar as regras de sua operadora.

DÚVIDAS SOBRE O USO DO PLANO DE SAÚDE E/OU ODONTOLÓGICO:

Como faço para marcar consultas ou autorizar procedimentos médicos (guias de consultas ou exames)?

Neste caso, nós orientamos que você entre em contato diretamente com a sua Operadora de Saúde através dos canais de atendimento informados em sua carteirinha. Isso porque, as questões referentes ao agendamento de consultas e autorizações de procedimentos são de responsabilidade da Operadora.

A quem devo recorrer em caso de negativa de atendimento médico-hospitalar?

A Operadora de Plano de Saúde é a única responsável por fornecer a cobertura assistencial prevista em contrato. Sendo assim, é vedado à Administradora de Benefícios exercer essa atividade da Operadora.

Desta forma, você deve, primeiramente, procurar a Operadora do seu plano de saúde, que deve te fornecer um número de protocolo de atendimento como primeira ação ou logo que o atendente identifique tratar-se de demanda que envolva cobertura assistencial.

Caso a Operadora de Saúde não forneça o protocolo, você pode exigi-lo. A Operadora deve informar a você, detalhadamente, em linguagem clara e adequada, o motivo da negativa de autorização do procedimento e/ou serviço, indicando a cláusula contratual ou o dispositivo legal que a justifique.

Você pode, ainda, solicitar à Operadora o envio da negativa por escrito, por correspondência ou e-mail no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas.

Ainda é garantida a você a possibilidade de requerer uma reanálise da sua solicitação de autorização de procedimento e/ou serviço de cobertura assistencial, a qual deve ser apreciada pela Ouvidoria da Operadora de Saúde, devendo informar a você sobre do prazo, forma e procedimento a serem observados para apresentação do requerimento de reanálise.

DÚVIDAS SOBRE QUESTÕES FINANCEIRAS:

O que é DDA e qual a diferença para o debito automático?

O DDA, ou Débito Direto Autorizado, é uma funcionalidade que permite cobranças diretamente em sua conta bancária. É necessário que você autorize essa cobrança e a ativação e/ou desativação do serviço deve ser feita por você diretamente em sua agência bancária.

A diferença entre o DDA e o débito automático é que o segundo é debitado diretamente na conta do cliente, no vencimento acordado.

No momento, a Nunes & Grossi Benefício não trabalha com a modalidade de débito automático.

Quais os prazos em casos de reembolsos ou devolução de valores?

Havendo a necessidade de reembolso ou devolução de valores pró-rata, em decorrência da solicitação de cancelamento pela RN412, o prazo estipulado é de 10 (dez) dias úteis após o recebimento dos dados completos do beneficiário titular ou responsável financeiro do contrato de adesão.

É possível parcelar as mensalidades do meu plano?

Atualmente não é possível realizar o parcelamento das mensalidades diretamente com a gente.

Qual a diferença de Declaração de Pagamento e Carta Quitação?

A declaração de pagamento é um documento emitido pela Nunes & Grossi Benefícios referente a um valor recebido, podendo ser retirada mensalmente após a realização do seu pagamento na Área do Cliente ou clicando aqui.

Já a carta de quitação é documento disponibilizado anualmente que possui a finalidade de demonstrar que você não possuiu valores em aberto com a gente nesse período.

Quais as formas de pagamento das mensalidades?

Além das formas tradicionais de pagamento, ou seja, em dinheiro em caixas bancários ou lotéricas e por DDA (Débito Direto Autorizado), é possível realizar o pagamento do seu boleto também via cartão de crédito. Para realizar esta operação sugerimos que verifique com a sua operadora de cartão de crédito quais são as possibilidades oferecidas por ela.

Caso você queira saber mais sobre o pagamento via cartão de crédito, temos um artigo em nosso Blog N&G que explica melhor o procedimento. Você pode acessar ele clicando aqui.

Nota Fiscal é considerada comprovante de pagamento?

A nota fiscal é um documento emitido a título de comprovação da disponibilização do serviço e não a comprovação do pagamento. Sendo assim, a comprovação de pagamento pode ser demonstrada através da declaração de pagamento.

Quando o titular do plano de saúde e/ou odontológico é menor de idade o boleto é direcionado em nome de quem?

Nos casos em que o beneficiário titular do plano é menor de idade, o boleto é emitido em nome do Responsável Financeiro pelo plano que deve, obrigatoriamente, ser maior de idade.

Como posso identificar um boleto fraudado?

Primeiramente, ao receber o boleto de sua mensalidade, verifique se o número de CNPJ, a Razão Social, o endereço e o banco recebedor correspondem ao da Nunes & Grossi Administradora de Benefícios.

Se for possível, compare com boletos recebidos anteriormente.

Se ainda assim suas dúvidas persistirem, entre em contato com a gente por um de nossos canais de atendimento para a solicitação da 2ª via do seu boleto.

Ainda, publicamos um artigo em nosso Blog N&G com mais dicas para verificar a autenticidade de nossos boletos. Você pode conferir todas elas clicando aqui.

Qual o prazo para a cobrança de coparticipação?

A coparticipação é uma obrigação de natureza civil que se estipula contratualmente entre operadora e beneficiário. Então, desde que obedecido o prazo de 5 anos, a Administradora poderá realizar a cobrança aos seus beneficiários ativos ou cancelados.

É importante destacar que, devido a todo o trâmite de repasse de cobranças, a coparticipação pode demorar até 3 meses para constar em sua fatura mensal. Todavia, não há um prazo especifico para processamento do valor de coparticipação.